domingo, 10 de fevereiro de 2008

A RIQUEZA DAS IMPERFEIÇÕES - Novos caminhos coreográficos


"À partida, tudo os afastava. De um lado, Romulus Neagu, o bailarino romeno virtuoso, cuja carreira, enquanto intérprete, evolui desde os palcos da Ópera Nacional de Bucareste para a Companhia Paulo Ribeiro, em Viseu. Do outro, José António Correia, doente com paralisia cerebral, com as limitações inerentes à sua condição. Com a cadeira de rodas encostada a um canto, foi no chão que se encontraram e começaram a explorar novos movimentos. Naquele território neutro nasceu O ensaio de um Eros possível, rebatendo todas as teorias sobre a perfeição dos corpos e as linguagens coreográficas. O ultrapassar de limites, a cumplicidade e a expressividade destes dois intérpretes transformam esta peça em pura emoção. Não vale a pena fazer grandes elaborações filosóficas ou pensar em intenções terapeûticas. Esta é a dança possível de dois corpos imperfeitos e condensa em si toda a beleza do mundo."
- J.L. (in VISÃO)
Porque tudo é possível e imperfeito. E é essa a beleza de tudo...

2 comentários:

LB disse...

Imperfeição quase perfeita... lindo, lindo, lindo!

SM disse...

FORTE...a melhor palavra que encontrei para descrever a dança e o que me fez sentir!...